VW SP2: Um esportivo brasileiro que deixou saudades

FCA Fiat Chrysler Automóveis retoma produção no Brasil
FCA Fiat Chrysler Automóveis retoma produção no Brasil
12/05/2020
Autódromo de Interlagos completa 80 anos
Autódromo de Interlagos completa 80 anos
12/05/2020
VW SP2: Um esportivo brasileiro que deixou saudades

VW SP2: Um esportivo brasileiro que deixou saudades

O VW SP2 foi fabricado por quatro anos na década de 70. Ele entrou para história por iniciar o desenvolvimento de automóveis no Brasil e pode ser chamado de pai do Nivus

O VW SP2 foi um esportivo brasileiro que deixou saudades. Isso porque entrou para a história da indústria automobilística brasileira.

A linha SP fez a Volkswagen iniciar o ciclo de desenvolvimento dos automóveis no país. Isso porque, até então, tínhamos uma pequena variedade de modelos, mas todos com projetos importados da matriz.

Brasil anos 1970: Importações proibidas 

Primeiro de tudo, vamos lembrar de alguns acontecimentos dos anos 70. O Brasil vivia o regime da ditadura militar, iniciado em 1964. O presidente era Emílio Garrastazu Médici, ele ficou no cargo no período de 1969 a 1974.

Durante seu governo foi criado o Plano Nacional de Desenvolvimento, que recebeu o apelido de o “milagre brasileiro”, porque a economia brasileira alcançou crescimento considerável.

Entre as medidas implantadas, a importação estava fechada, no caso da indústria automobilística, a medida foi para incentivar compras só dos automóveis feitos pelas fabricantes instaladas por aqui.

VW SP2: Um esportivo brasileiro que deixou saudades

VW Karmann Ghia, projeto importado de esportivo feito no Brasil

Brasil anos 1970: poucas opções de esportivos

Entre os modelos esportivos, o consumidor poderia optar pelo Volkswagen Karmann Ghia, um projeto importado, que na época poderia ser considerado global, pois foi vendido em várias partes do mundo.

Puma esportivo com carroceria de fibra

Esportivo Puma com mecânica VW

Miura visual esportivo e mecânica VW

Miura um dos esportivos oferecidos nos anos 70 com carroceria de fibra

As outras opções eram os automóveis feitos com carroceria de fibra por fabricantes independentes como a Puma e a Miura, porém, ambos utilizavam mecânica Volkswagen.

Sendo assim, neste clima de mercado fechado, Rudolf  Leiding, então presidente da VW do Brasil, aproveitou o privilégio que a filial brasileira dispunha, porque afinal, foi a primeira fábrica da companhia instalada fora da Alemanha e autorizou o desenvolvimento de um esportivo.

O protótipo foi feito por Antonio Carlos Martins, José Vicente Novita Martins, Jorge Yamashita Oba e Marcio Piancastelli.

Marcio Piancastelli, um dos engenheiros que desenvolveu a linha SP

Inicialmente ele foi chamado de ‘Projeto X’, e para realizar o trabalho, uma equipe de engenheiros e designers foi liderada pelo engenheiro Senor Schiemann.

O protótipo foi feito por Antonio Carlos Martins, José Vicente Novita Martins, Jorge Yamashita Oba e Marcio Piancastelli.

Ele foi apresentado como modelo SP na Feira da Indústria Alemã em março de 1971, porém, finamente as vendas iniciaram no ano seguinte, quando o esportivo debutou no Salão do Automóvel de São Paulo.

VW SP2: Um esportivo brasileiro que deixou saudades

VW SP2: Um esportivo brasileiro que deixou saudades

VW SP2: Desenho inovador

O VW SP2 foi um esportivo brasileiro que deixou saudades. Isso porque o modelo mostrou para o mundo a capacidade criativa e o bom gosto da engenharia brasileira.

Depois de Projeto X, o carro  recebeu a sigla SP como nome oficial. Em principio o significado de SP era Sport Prototype ou Special Project, porém prevaleceu a homenagem ao estado que a empresa se estabeleceu, ou seja, São Paulo.

Outra característica também inaugurada por causa do SP  foi a fase da fabricante homenagear cidades brasileiras em seus modelos. Depois disso vieram o VW Brasília e VW Parati. 

VW Variant station wagon apelidada de perua

VW Variant, emprestou a plataforma para o SP2 e os faróis

Para montar o primeiro esportivo do Brasil, os projetistas optaram por utilizar a plataforma da station wagon Variant (apelidada de perua por aqui).

Sendo assim, esta plataforma permitiu fazer um carro espaçoso, com entre-eixos de 2,4 m, mas como tem que ser um esportivo, espaçoso para dois ocupantes.

VW SP2: Um legitimo cupê

Visto de lateral, fica evidente que se trata de um legitimo cupê. Para tanto, têm duas portas, a caída do teto arredondada na traseira, as vigias com abertura, ou pequenas janelas, e as entradas de ar para refrigerar o motor na coluna C, o que forma um visual chamativo.

VW SP2: Um esportivo brasileiro que deixou saudades

Nas portas, as maçanetas são cromadas, abaixo delas, faixas vermelhas refletivas que cortam toda a lateral, tem ainda um friso preto mais abaixo. As rodas são de ferro 14 polegadas elas são calçadas com pneus 185/80R14.

A frente do primeiro esportivo brasileiro pegou emprestado o conjunto de quatro faróis da Variant e TL, os quais passaram a ser utilizados a partir de 1971. Até então a Variant e o TL tinham faróis retangulares.

VW SP2: Um esportivo brasileiro que deixou saudades

No centro da parte frontal um friso fino cromado de cada lado, por causa da semelhança, foi apelidado de bigodinho, e o símbolo VW.

As lâmpadas de seta estão embutidas nas extremidades do para-choque. Este é de uma lâmina na cor preta.

Já o capô é totalmente liso, ou seja, sem vincos para completar a harmonia do desenho dianteiro.

VW SP2: Um esportivo brasileiro que deixou saudades

Acima de tudo, os designers se empenharam em fazer um carro bonito e harmonioso. Para confirmar, basta observar a  traseira.

Ela  é ovalada,  tem o vidro grande, a tampa usa as bordas arredondadas. As lanternas são retangulares e estão embutidas na carroceria. Bem no centro uma moldura que abriga a placa de identificação.

Ainda mais estilosa é a pequena grade que esconde o cano do escapamento, pois fica amostra só a ponteira cromada. A luz de ré é externa, ou seja, não está dentro do conjunto das lanternas.

VW SP2: Interior esportivo e requintado

O VW SP2 foi um esportivo brasileiro que deixou saudades, o que fica mais evidente ao entrar no carro. Isso porque o primeiro detalhe que chama a atenção é o volante esportivo de três raios e o chamativo revestimento do painel na cor laranja.

Vale lembrar que a época era analógica, por isso, atrás do volante figura os mostradores de velocidade e conta-giros analógicos.

VW SP2: Um esportivo brasileiro que deixou saudades

Já no centro do painel foram colocados os mostradores de combustível, temperatura do óleo, amperímetro e relógio.

Abaixo deles o rádio AM Blaupunkt, com receptor de ondas médias, curtas e tropicais. Logo abaixo os botões para acionar os faróis e limpadores de para-brisas.  

VW SP2: Um esportivo brasileiro que deixou saudades

Bancos esportivos de série

Inovador para a época trazia o precursor do que é chamado hoje de dual cockpit, ou seja, que separa o motorista do passageiro.

Isso porque o console foi integrado ao túnel, com a alavanca para a troca das marchas no centro.

VW SP2: Um esportivo brasileiro que deixou saudades 

Ainda neste console uma alavanca uma para abrir a a tampa traseira e acessar o motor, portanto, não havia o puxador externo.

Os bancos esportivos em couro eram oferecidos como opcionais, de série bancos que misturavam couro e curvim. O mesmo tipo de acabamento figura nas portas. 

VW SP2: Um esportivo brasileiro que deixou saudades

SP1 com motor 1.6 Le SP2 com motor 1.7L

 VW SP2: Motor, câmbio e suspensões

Logo que foi lançado, a Volkswagen disponibilizou no mercado brasileiro duas versões do esportivo. O SP1 com motor boxer refrigerado a ar 1.6 litro.

Ele entregava 65 cv de potência a 4.600 rpm e 12 kgfm de torque a 3.000 rpm. Porém, só 88 unidades do SP1 foram comercializadas, o que fez no ano seguinte ele ser descontinuado, ou seja, sair de linha.

Na época a diferença de preço entre um e outro era pequena, mas nos dias de hoje, este carro é muito raro, o que eleva seu custo.  

VW SP2: Um esportivo brasileiro que deixou saudades

Motor do SP1 com 1.6 litro que entregava 65 cv de potência

VW SP1 e SP2 com motor longitudinal

Em ambos o motor foi colocado na posição longitudinal. Ele foi acoplado ao câmbio manual de quatro marchas com relações mais longas, que a de outros modelos da VW.

O SP2, passou a ser o sonho de consumo de quem gostava de carro esportivo. Ele  vinha com motor 1.7 litro, também refrigerado a ar, com dois carburadores, sua potência é de 75 cv a 5.000 rpm e torque de 13,2 kgfm a 3.400 rpm.

VW SP2: Um esportivo brasileiro que deixou saudades

Motor do SP2 1.7 litro, com 75 cv

A suspensão dianteira é independente com braço arrastado, na traseira independente com semi-eixo oscilante.

Outra diferença, além do motor, entre o SP1 e SP2 estava no sistema de frenagem. O modelo menos potente utiliza freios dianteiros a tambor, o mais potente discos sólidos. O sistema traseiro dos dois é a tambor.

VW SP2: O modelo que lançou a engenharia brasileira mundialmente

O VW SP2 foi um esportivo brasileiro que deixou saudades. Tanto que as unidades remanescentes são oferecidas nos dias de hoje por valores que variam entre R$ 49.000 a R$ 120.000. 

Também porque, até seu lançamento, a indústria automobilística brasileira, no caso de automóveis de passeio, tinha como representantes a Fiat, que chegou em 1976, Ford, General Motors e Volkswagen.

Todas elas literalmente montavam os veículos, não havia desenvolvimento de projetos locais.

VW SP2: Um esportivo brasileiro que deixou saudades

Na Volkswagen este investimento em pesquisas e soluções locais foram iniciados com o Projeto X, depois batizado como SP.

Por causa dele, apesar de ser fabricado entre 1972 e 1976, e alcançar pouco mais de 10.000 unidades produzidas, confirmou para a matriz alemã que os profissionais brasileiros tinham o que mostrar.

Depois disso foi desenvolvido no Brasil o VW Brasília, o VW Gol que permaneceu durante 27 anos na liderança do mercado, e uma família de derivados como o VW Parati, VW Saveiro, e o sedã compacto VW Voyage.

Fruto do desenvolvimento local também vale destacar o VW Fox. Tão brasileiro que na fase de projeto foi chamado de Tupy.

Ao longo dos anos, a experiência adquirida em desenvolver veículos locais, fez com que a matriz alemã delegasse para a unidade brasileira a responsabilidade de desenvolver um SUV compacto.

Ele está pronto. É o VW Nivus, previsto para ser lançado ainda no primeiro semestre de 2020. Ele estréia no mercado nacional, depois em seguida será exportado para a Argentina e mais tarde ganhará o mercado europeu.

Portanto, não é exagero afirmar que o SP2 é o pai de todos os projetos brasileiros desenvolvidos pela Volkswagen que vieram depois dele.

Por: Edison Ragassi/Fotos: Saulo Mazzoni

Assista o vídeo do SP2 brasileiro que foi levado para a Alemanha. Ele está exposto no museu da Volkswagen 

Ficha técnica VW SP2

Motor: 1.7L Boxer

Disposição: Traseiro longitudinal

Número de válvulas: 8

Potência: 75 cv a 5.000 rpm

Torque : 13 kgfm a 3.400 rpm

Câmbio: Manual 4 marchas

Tração: Traseira

Dimensões

Comprimento: 4. 217 mm

Entre-eixos: 2 400 mm

Largura: 1.610 mm

Altura: 1 158 mm

Altura livre do solo 149 mm

Peso: 890 kg

Capacidades

Porta-malas: 140 litros

Tanque de combustível: 41 litros

Consumo

Ciclo urbano: 6,9 km/l

Ciclo rodoviário: 10,9 km/l

Velocidade máxima:161 km/h


Deprecated: WP_User->id foi chamado com um argumento que está obsoleto desde a versão 2.1.0! Use WP_User->ID como alternativa. in /home/storage/c/b5/35/autoagoraimprens1/public_html/wp-includes/functions.php on line 4997
autoagora.com.br

4 Comments

  1. H. Gomes. disse:

    Esclarecendo que o MILAGRE BRASILEIRO, não foi um apelido , e sim uma realidade no período do REGIME MILITAR .
    Quanto ao assunto automobilístico muito bom .

  2. Stefano disse:

    185x80xR14!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *